Eu sobrevivi a crise de 2020…

Ou talvez ela ainda esteja ocorrendo..

É esse o sentimento, inicialmente não vendi nada com prejuízo, segurei as posições e abaixei o preço médio de alguns papéis utilizando a venda de parte da posição de VVAR3 que eu estava muito concentrado antes da grande queda (ibovespa por volta de 105k).

Ta tudo bem investidor da ti?

Para ajudar, a vida pessoal/profissional está bem agitada…

Estamos com planos de ampliação da empresa que sou sócio e provavelmente precise aportar algum dinheiro lá, estou com caixa zerado mas já negociei um empréstimo com meus pais, basicamente vou remunerar o dinheiro pagando o dobro da poupança, que é onde ele deixa grande parte (algo em torno de 90%).

Também decidi em conjunto com a minha esposa comprar uma apartamento, depois de ser infernizado por questões fúteis durante nossa mudança.. sim.. mudamos em fevereiro para tentar resolver alguns problemas que tínhamos no apartamento eu decidi me entregar na batalha do imóvel próprio e propus que ela fosse a responsável pela entrada do imóvel que será entregue por volta de junho de 2021 (assim consigo que ela tire o dinheiro da poupança) e serei o responsável pela maior parte da parcela do financiamento (adeus aportes mensais).

É isso.. um post simples, só para dar um up no blog já que agora minha vida se resume a fechamentos mensais hehehe

Fechamento Fevereiro 2020: R$ 230.434,85 (-R$ 1.013,10 ou -1,48%)

O rebalanceamento da carteira está em andamento, estamos com 9 papeis nesse momento e mesmo que ainda concentrado em VVAR3 a ideia é ir rebalanceando mensalmente junto com os aportes.
Nenhuma opção lançada e confesso que fiquei tentado durante essa pequena “crise” que passamos na semana do carnaval.
Para se ter uma ideia, cheguei a estar 8% positivo, porém a queda da bolsa comeu a rentabilidade.
Lembrando que a nova ordem de imagens é:

  • Acompanhamento mensal da cotização da carteira
  • Distribuição do patrimônio em %
  • Distribuição do patrimônio em R$
  • Acompanhamento Renda/Despesa

Fechamento Janeiro 2020: R$ 233.736,95 (+R$ 13.651,36 ou +6,20%)

Após alguma reflexão, decidi dar um tempo com o lançamento de opções, portanto o fechamento tende a ficar mais simples uma vez que só preciso pegar a cotação das ações e os outros itens do patrimônio. Realizei a cotização da minha carteira e passo a demonstrar no fechamento também o desenvolvimento da carteira que hoje conta com 5 ativos totalmente mal distribuídos pois estava 100% em VVAR3.
Portanto, a nova ordem de imagens são:

  • Acompanhamento mensal da cotização da carteira
  • Distribuição do patrimônio em %
  • Distribuição do patrimônio em R$
  • Acompanhamento Renda/Despesa

Consolidação da estratégia de opções 2019-12

O Exercício

Confesso que fui ousado nesse lançamento.. e fiz all in em opções de VVAR, afinal.. eu estive buscando os maiores prêmios e devido a volatilidade do papel nos últimos tempos o premio de opções quase ATM (3% acima) estavam pagando incríveis 4,8% liquido. Não contente aumentei a posição em seguida.. e confesso que no final acabei recomprando as opções e decidindo por parar com os lançamentos enquanto o mercado estiver com essas subidas inexplicáveis… basicamente vou tentar aproveitar enquanto durar nosso atual ciclo de alta.

As Operações

Venda de 6000 calls de VVAR3 com strike R$ 11,50 pelo prêmio de R$ 0,63. Foram recompradas por R$ 0,85.
Venda de 2500 calls de VVAR3 com strike R$ 12,00 pelo prêmio de R$ 0,57. Foram recompradas por R$ 0,44.

Os Resultados

A primeira operação deu um prejuízo de algo em torno de R$ 1320,00. Percentualmente falando seria algo em torno de -2,0% do capital da operação.
A segunda operação deu um lucro de algo em torno de R$ 320,00. Percentualmente falando seria algo em torno de 1,1% do capital da operação.

Em Geral

Como citado em outros posts, decidi tentar aproveitar o atual ciclo de alta e por isso não devo lançar opções nos próximos meses, confesso que a causadora principal dessa decisão é a VVAR3, essas subidas que na minha opinião estão acontecendo sem fundamento algum, baseando basicamente em expectativa de melhora da empresa após as ultimas mudanças na gestão. Como exemplo podemos ver a primeira operação que realizei, a expectativa era embolsar o prêmio de quase 5% mais uma possível valorização de 3% no ativo porém o ativo subiu 28% nos últimos 30 dias o que tornou viável zerar a operação e aceitar o lucro da valorização do papel como compensação do prejuízo da operação.
No mais, já estou trabalhando em uma carteira com certa diversificação e já possuo 5 ativos.

Livros de 2019

Nunca fui e confesso que não sou um leitor de respeito, digamos que não sou um cara muito criativo e pro isso a leitura (necessidade de imaginação para “desenhar” aquilo que você está lendo) não é algo que me atraí muito. Ainda assim acho muito interessante a ideia de utilizar a leitura como atividade para melhorar alguns pontos da vida e em muitas situações conseguir referencias em situações que foram compartilhadas para utilizar no seu dia.

A ideia é ler algo em torno de 12 livros em 2020, não necessariamente livros sobre finanças, normalmente eu começo a ler um livro por indicação ou pelo titulo do livro. Após breve introdução e a meta de 2020, vamos aos livros de 2019 e um resumo de poucas linhas sobre o que achei interessante do livro.

Por que Fazemos o que Fazemos? – Mário Sergio Cortella
Interessante pois faz algumas abordagens relacionadas a escolhas e motivação, penso que as palavras chave do livro sejam propósito e valores, livro padrão da prateleira de auto ajuda.

Dieta Flexível – Caio Bottura
Estava em uma vibe de dietas e já conhecia o autor do livro por videos do youtube, sempre achei interessante esse conceito de flexibilizar e deixar a dieta algo mais exato, medidas como uma fatia média de pizza ou uma colher de arroz nunca fizeram sentido para mim, agora quando você trabalha com uma tabela nutricional e peso dos alimentos, tudo fica claro.

Como Mentir com Estatística – Darrell Huff
Mais um livro interessante de leitura muito válida, basicamente são apresentados exemplos onde um fato é distorcido por seu apresentador, por exemplo, quando dizem que o salário médio de uma empresa é X porém não se passa informações sobre quem compõem a empresa X, os sócios estão nessa conta? e os terceiros? em qual período de tempo? períodos de crise são contabilizados? entre outras variáveis que influenciam muito no resultado. Um exemplo do mundo financeiro é quando alguma pessoa pega uma janela de tempo de algum ativo e índice ignorando o restante.

Sapiens: Uma Breve História da Humanidade – Yuval Harari
Sem duvida nenhuma o livro mais interessante de todos que pude ler em 2019, o livro aborda temas muito sensíveis e que podem abrir a mente para várias situações do dia a dia. Narrando a evolução da especie passando pela áfrica quando eram caçadores e coletores até as migrações para Europa, Ásia, Oceania e Américas. As formações de grupos e sociedades, religiões, regimes políticos, grandes lideres da humanidade e até uma certa previsão do futuro. Sem falar de explicações que para mim pareceram muito lógicas para muitos acontecimentos do mundo.

Nunca Almoce Sozinho – Keith Ferrazzi e Tahl Raz
Último livro do ano, achei a leitura muito cansativa, uma sensação que de o livro nunca acabaria porém consegui absorver insights muito interessantes em questões de relacionamento, networking, redes sociais e principalmente comportamentos que podem colaborar com uma evolução não só na vida profissional como na vida pessoal.

Escolhendo ações para minha carteira 2020

Como citado em posts anteriores, penso em mudar a estratégia e diminuir o capital utilizado em operações com opções. Para isso, comecei a estudar sobre diversificação e indicadores de análise fundamentalista para poder escolher ações “saudáveis”.

Inicialmente penso que o filtro básico seria empresas com lucro, ou seja P/L positivo e não muito distorcido. Como ordenador entre setores com mais de uma opção seriam dois indicadores, o primeiro seria a questão do tamanho da empresa onde tentei balancear entre empresas para não pegar apenas as maiores do setor, mirando uma possibilidade de crescimento e o segundo a questão da margem liquida da empresa.

Também tentei filtrar setores que EU acho interessantes, por exemplo, telefonia fixa não é um setor que me atraí enquanto comércio é algo que eu penso como muito interessante.

Sendo assim, partindo do principio que meus lançamentos de opções vencem dia 20, a ideia é pensar ainda essa semana sobre a composição da carteira está dividida em 12 setores e 15 papeis que são:

E ai? como estão os planejamentos para 2020?

Fechamento Dezembro 2019: R$ 220.085,59 (+R$ 24.052,82 ou +12,27%)

Com direito a algumas pedaladas fiscais, digamos assim.. fechamos o ano atingindo a meta… os 200k, com certa folga até…
Dezembro foi um mês de reviravoltas, tomei pau na cemig, mudei de trabalho (grande responsável do aumento de capital), natal na casa da sogra.. podemos comemorar.. fechamos ano.
Eu queria conseguir consolidar minhas contas de uma forma menos “mentirosa” pois nunca que eu tive 30k de renda em dezembro.. acontece que foi juntando, rescisão (férias a vencer), décimo terceiro, nova data de pagamento no novo trabalho (eles pagam dia 30) etc…
Uma observação, a categoria “outros” foi criado pois é um valor que está “congelado” meio que como se fosse uma reserva 2 para outras oportunidades…
Mas.. vamos aos números…

2020, continuar rentabilizando a carteira ou carteira para longo prazo?

Em 2019 realizamos lançamentos de calls, as famosas operações de taxas e como será possível verificar no nosso post de fechamento de 2019, tivemos uma rentabilidade interessante de 2,9% com máxima de 6,4% e minima de 0.9% (realizei uma apuração rápida… contando os erros como pagar 0,5% do capital da operação em taxas de corretagem e acertos) ou seja… nossa estratégia nos garantiu algo em torno de 36% nos últimos 12 meses que é algo muito interessante.. porém acredito que grande parte do retorno seja devido ao bull market, fico pensando se tivesse uma carteira mais longo prazo no inicio do ano, o que teria acontecido. O que me conforta é que grandes porradas como VVAR3 com toda certeza não entrariam em uma carteira long devido aos fundamentos não serem tão interessantes.

Para o próximo post, devo criar uma carteira long para comparar como teria sido a evolução da mesma durante 2019, com 9-12 ações mirando apenas um papel por setor que será escolhido de acordo com os fundamentos da empresa.

É isso… e você? como pensa fazer em 2020?

Consolidação da estratégia de opções 2019-11

O Exercício

Acabou o amor, minha querida CMIG4, que me deu tantas alegrias, tantos prêmios, agora me frustrava por estar R$ 1,70 abaixo do preço médio… estava decidido a realizar o prejuízo do papel quando após conversar com alguns colegas decidi lançar uma opção abaixo do preço médio assim “diminuindo” meu prejuízo pois como já estava decidido a realizar que fosse embolsando algo em troca. Outro papel estranho, VVAR3, empresa está em recuperação porém full prejuízos e a galera dobrando posição (tipo eu) realizei várias rolagens para subir o strike… De resto.. nossa querida ITUB4, lançamento padrão…

As Operações

Venda de 4200 calls de CMIG4 com strike R$ 13,00 pelo prêmio de R$ 0,25. Não realizei a recompra e fui exercido.
Venda de 1000 calls de ITUB4 com strike R$ 36,42 pelo prêmio de R$ 0,71. Não realizei a recompra e fui exercido.
Venda de 4000 calls de VVAR3 com strike R$ 7,60 pelo prêmio de R$ 0,20. Foram recompradas por R$ 1,36.
Venda de 4000 calls de VVAR3 com strike R$ 9,00 pelo prêmio de R$ 0,25. Foram recompradas por R$ 1,05.
Venda de 4000 calls de VVAR3 com strike R$ 9,80 pelo prêmio de R$ 0,40. Foram recompradas por R$ 1,27.
Venda de 4000 calls de VVAR3 com strike R$ 10,00 pelo prêmio de R$ 1,01. Não realizei a recompra e fui exercido.

Os Resultados

A primeira operação dividida em duas partes. A parte de opções nos deu um lucro de algo em torno de R$ 1.050,00 bruto ou R$ 892,50 liquido. Percentualmente falando seria algo em torno de 1,7% bruto ou 1,5% liquido do capital da operação. A parte do ativo nos deu um prejuízo de R$ 1,30 por papel ou seja, algo em torno de R$ 5.500,00.
A segunda operação deu um lucro de algo em torno de R$ 710,00 bruto ou R$ 603,50 liquido. Percentualmente falando seria algo em torno de 2,0% bruto ou 1.7% liquido do capital da operação.
A terceira opção seria a rolagem de strike, que gerou um prejuízo de R$ 1,16 por opção ou seja, algo em torno de R$ 4.640,00.
A quarta opção seria a rolagem de strike, que gerou um prejuízo de R$ 0,80 por opção ou seja, algo em torno de de R$ 3.200,00.
A quinta opção seria a rolagem de strike, que gerou um prejuízo de R$ 0,87 por opção ou seja, algo em torno de de R$ 3.480,00.
A sexta opção seria o “resultado” das rolagens e também seria dividida em duas partes. A parte de opções nos deu um lucro de algo em torno de R$ 4.040,00. A parte do ativo nos deu um lucro de R$ 10.360,00 porém ao abater o custo das rolagens ficamos com o prejuízo de R$ 960,00. Portanto a operação “VVAR3” nos deu um lucro final de R$ 3.080,00. Percentualmente falando seria algo em torno de 7,3% bruto ou 6,4% liquido do capital da operação.

Em Geral

Um mês diferente porém interessante, pudemos rolar alguns ativos, prejuízo na nossa querida CMIG4 (o resultado do ano em CMIG4 ficou positivo).
O resultado ficou dificil de explicar, caso fiquem com alguma dúvida estou a disposição!
Minha ideia é gerar um “resultado 2019” no final de janeiro após nosso próximo fechamento. O resultado deve ser por papel uma vez que utilizo poucos papeis.

Rolagem de opções… quando eu faço?

Se precisasse explicar o que é a rolagem de opções eu diria que é basicamente concluir aquele primeiro “acordo” realizado com as vendas das opções comprando a mesma quantidade que você vendeu e em seguida realizar um novo acordo com o novo strike ou nova data. Mesmo que pareça simples, a rolagem de opções pode ser um mistério para muitas pessoas, eu por exemplo nunca vi muita vantagem uma vez que a minha estratégia é entregar o papel já que o “lucro combinado” no momento da montagem da operação já estava calculado.

Foi então que belo dia uma ação que não me recordo com qual esticou muito e eu fiquei com aquela dorzinha por ter vendido a opção muito ATM e foi assim que comecei a calcular se seria vantajoso ou não a rolagem de opções e para isso estou utilizando uma planilha.

Passe o mouse sobre a imagem para visualizar melhor.

Podemos ver no quadro acima, uma operação montada com 2 rolagens e uma ultima que não valia a pena.

No quadro verde, foi a montagem da operação e no final os custos de recompra gerando meu “novo preço” do ativo que é utilizado na primeira rolagem que consta no quadro azul como preço de compra e todo calculo é realizado com esse “novo preço”, no quadro marrom eu apresento a segunda rolagem realizada no ativo seguindo a mesma lógica e no ultimo quadro, o vermelho eu mostro como “validar” se vale a pena rolar a opção para outro strike ou manter.

No quadro verde, foi a montagem da operação e no final os custos de recompra gerando meu “novo preço” do ativo que é utilizado na primeira rolagem que consta no quadro azul como preço de compra e todo calculo é realizado com esse “novo preço”, no quadro marrom eu apresento a segunda rolagem realizada no ativo seguindo a mesma lógica e no ultimo quadro, o vermelho eu mostro como “validar” se vale a pena rolar a opção para outro strike ou manter.

Como trabalho com opções para ser exercido e no momento estou com um papel não muito “confiável”, foco no premio liquido do exercício e podemos ver que os 3 primeiros movimentos (montagem e duas rolagens) foram vantajosos, porém o ultimo movimento não faria sentido pois o risco de “continuar com ativo” aumentaria para apenas 0,1% de aumento caso não fosse exercido.

Basicamente é assim que eu decido se vou rolar o strike ou não.